Este é o meu quartinho de bagunça. Da embalagem vazia de Chokito ao último livro do Saramago que eu não terminei de ler, você encontrará aqui de tudo um pouco.

segunda-feira, agosto 25, 2008

Reserve Nova York ou foda-se.

Se eu tivesse que escrever um guia de turismo sobre Nova York, reservaria um capítulo apenas para alertar o incauto contribuinte sobre duas coisas:

1. Super Flash: este é o nome genérico do passe para comedores de fila que funciona assim: por mais 20 dólares, você passa na frente de 500, e nem tem que ser mental ou fisicamente incapaz pra isso. O super flash pode ferrar com a vida daquela pessoa que está preparada para passar 2 horas na fila do MoMA, por exemplo, mas de repente se vê presa na fila por 3 horas e meia porque um vôo charter com japoneses super flash aterrisou ali justo naquele dia. O super flash desconhece a engenharia das filas e da logística, existe em quase todas as atrações turísticas daqui e é a coisa mais antipática do mundo.

2. Reserve ou morra. Não basta pagar para ir a um lugar, você tem que pagar e reservar, senão já era. Eu e a Carrie, duas vítimas persistentes desse tipo frustrante de pegadinha, incorremos nesse erro duas vezes em 3 dias. Na sexta, fomos à Estátua da Liberdade (eu nunca tinha ido), compramos passagens antecipadamente pela internet, mas na hora de entrar no monumento, fomos barradas porque não tínhamos feito reserva. Acontece que o mesmo site que vende as passagens para o passeio, que é numa ilha, e não num lugar onde qualquer filho da mãe possa parar inadvertidamente, não faz nenhuma menção à essa porcaria de reserva, e essa porcaria de reserva tem de ser feita com pelo menos 7 dias de antecedência, o que é muito inconveniente pra quem vai passar uma semana ou menos na cidade. Chegar na Ilha da Liberdade e não poder entrar na Estátua da Liberdade é o equivalente turístico do Suplício de Tântalo. Tudo bem que eu não esperava ver um espetáculo do Cirque du Soleil lá dentro do monumento, mas porque diabos eu teria ido até lá se não fosse pra isso? Sorte que o museu da imigração na Ellis Island era bom o bastante pra me fazer esquecer desse sofrimento.

A segunda vez que morremos na praia por não reservar aconteceu ontem, quando fomos ao Harlem para a missa das 11h na Abssynian Baptist Church. A idéia foi da Carrie e eu comprei de cara, porque as missas de domingo são aquelas com um coro gospel digno de Grammy, e eu quase pego um santo só de pensar na vibração. Esse programa imediatamente tornou-se umas das minhas 3 prioridades máximas em NYC, e eu passei dias sonhando com isso.

Tão logo avistamos a igreja, um homem de terno e gravata, super bem vestido (mas não necessariamente combinando todas as partes), super fly, nos abordou na calçada perguntando se nós, ladies, estávamos ali para o "service". Eu achei aquele cerimonial de boas-vindas super lindo, super fofo (nossa, colocaram um cara todo bonitão pra recepcionar os fiéis!, u-hu, pensei, no auge da ingenuidade), mas tão logo dissemos que sim, ele mudou de cara, de tom e apontou o caminho da roça, dizendo: "então saiam daqui, liberem o caminho, porque não há mais lugar pra missa das 11h hoje". É claro que fiquei em estado de choque e ausência mental, porque estou proibida de me aborrecer. Olhei em volta e havia cerca de 200 turistas no mesmo estado de ausência mental que eu, todos proibidíssimos de se aborrecer. Aí eu pensei bem e resolvi que ia me aborrecer sim, porque isso não é justo com meus neurônios, pô! Eu li o site todo, e em momento algum ele dizia que a gente tinha de reservar porra nenhuma antes. Pelo contrário: o site diz que ALL ARE WELCOME, e que só grupos de 10 ou mais precisam fazer reservas antecipadamente.

Pensando bem, acho que o pessoal da Abssynian considera "10 ou mais" qualquer grupo, independente dessa massa constituir um grupo de amigos ou turistas com qualquer tipo de vínculo. Talvez, para eles, nós turistas sejamos um grupo bastante homogêneo: um bando de branquelos escrotos que nem conhece a palavra de Jesus querendo ver o coro comer. É. Pensando bem, isso é escroto mesmo. Onde eu estava com a porra da cabeça quando não coloquei Deus em primeiro lugar?!? Em todo caso, mandei um email super magoado pra eles dizendo que seria apenas justo que eles tirassem do site esse "all are welcome", que Deus castiga e Deus não gosta de mentira. All are welcome é el caratzo! É mais difícil ver o coro comer numa igreja batista daqui do que ver Yemanjá em pessoa no dia 2 de fevereiro. Assim não dá pra ter fé, minha gente. Depois me perguntam porque eu ainda não tenho religião. É por isso, é por isso!

Resumo da ópera: em Nova York, não basta pagar pra ver: tem que reservar pra pagar pra esperar dois dias na fila pra ver. Estado de ausência mental, ativar!

PS Pollyanna Moça: A boa notícia para os duros é que o museu de História Natural é de graça na última meia hora de funcionamento, todos os dias. Então, com um mapa do museu e um bom tênis de corrida, é possível conhecer todo o museu de graça ao cabo de 10 dias. Vai pro trono ou não vai, Lombardi?

|

Links to this post:

Criar um link

<< Home